ABAIXO TEXTOS - CRÍTICAS - ENSAIOS - CONTOS - ROTEIROS CURTOS - REFLEXÕES - FOTOS - DESENHOS - PINTURAS - NOTÍCIAS

Translate

terça-feira, 31 de maio de 2011

DELETE_ME

Comédia ligeira escrita por Celinho Vidal, adaptada e roteirizada por José Sette em 22 cenas.

Abertura da cortina

PRIMEIRA PARTE

Prólogo

Interior de um consultório

Imagem: Arnaldo está deitado num divã. Na sua frente, sentado em uma bergère a luz de um abajur, o Dr. Fred Sigismundo, seu psicanalista.

Som: Música de relaxamento.

Diálogos:

Dr. Fred: - Sr. Arnaldo é a primeira vez que o senhor faz análise?
Arnaldo: - Sim ! Sempre me achei suficiente para dar soluções aos meus problemas mentaiss ... mas eles foram se acumulando e confesso que perdi o controle ... Tudo que eu faço da errado doutor...
Dr. Fred: - O senhor pode me dizer com uma palavra o que passa em sua mente?
Arnaldo: - A loucura. A dúvida. A gula. A violência. A intolerância. A ignorância. O egoísmo. O medo. A mentira. O rancor. A maldade. O poder...
Dr.Fred: - Tá bom Arnaldo! Você então pode me contar alguma história relacionada a esses sentimentos?
Arnaldo: - Posso sim Dr. Sujismundo...
Dr. Fred: - Sigismundo !
Arnaldo: -... A internet, por exemplo, é onde me sinto melhor doutor... Outro mundo... O senhor sabe como é... Lá mantenho grande parte do meu relacionamento, faço novas amizades... Outro dia...

Titulagem:

Loucura ... Delete-me

Cena 1

Cidade / Dia sem sol.

Imagem: Tomada da cidade - Dos prédios - Dos prédios em detalhes - Das janelas - Das janelas em detalhes.

Som: Telefone discando para Internet, ruídos característicos da conexão do computador com o provedor é a abertura para o tema musical.


Cena 2

Apartamento de mulher

Imagem: Tela do computador ligada num chat de bate papo. Dedos femininos pressionam o teclado enquanto na tela vai surgindo com rapidez a pergunta:


- Arnaldo você está ligado ? ...

Som: ruídos do teclado em fusão com a música tema.

Cena 3

Cidade

Imagem: Menina (Renata) anda pela rua na contra mão do tráfego.

Som: ruídos de rua em fusão com a música tema.

Cena 4

Ringue de luta

Imagem: Menina (Tânia) termina uma luta de caratê. Com o adversário no chão, vencido, pega em uma toalha e abandona o tatame.

Som: som direto em fusão com a música do tema.

Cena 5

Casa de Arnaldo

Imagem: Arnaldo corta, com a faca afiada, um peixe inteiro e o prepara no tabuleiro para ir ao forno.

Som: A música cria um clima de tensão com o ruido da cozinha - som de chamada no computador: - Bip ! Bip ! Bip ! ...

Cena 6

Loja de Bebidas

Imagem: Menina (Mimosa) escolhe no alto de uma escada um vinho, nas prateleiras repletas, enquanto o vendedor fica de baixo segurando a escada a olhar suas pernas e sua calcinha.

Som: O mesmo anterior com o clima do computador prevalecendo e seus sons característicos procurando o sincronismo na cena seguinte.

Cena 7

Casa de Arnaldo

Imagem: Tela do computador. Arnaldo digita:
- OK! Mimosa... Espero você aqui para bebermos este vinho.

Som: ruídos dos teclados e a música buscando o clima de suspense.

Cena 8

Casa de Arnaldo

Imagem: Aparece na tela do computador, depois que Arnaldo levanta-se para atender a porta, digitada em corpo grande e em fundo negro, a palavra DELETE-ME.

Som: A música evidencia o suspense do som da campainha estridente.


domingo, 29 de maio de 2011

LOUCURA POUCA É BOBAGEM

ACONTECEU EM CURITIBA


No último sábado procurava um telefone público e encontrei apenas um, em frente ao estacionamento Soriana (Praça da Espanha). Estacionei alguns metros mais atrás e desci do carro. Quando estava falando chegou um homem sem uma perna e com muletas. Me perguntou se podia ajudar a anotar um número, e me deu o cartão com o número e um papel para anotar o telefone. Com muito prazer para ajudar, peguei o papel e comecei a marcar o número. Então em poucos segundos comecei a me sentir mal, sentia que estava desmaiando. Acontecia algo de anormal, então corri para o carro e me fechei, ainda me sentindo enjoado. Tonto, tentei ligar o carro e afastei-me um pouco do local, estacionando mais a frente. Depois, não lembro de mais nada. Mais tarde despertei ainda bastante enjoado, e com a cabeça como se estivesse estourando. Consegui chegar até minha casa, e fui imediatamente para o hospital... Após os exames de sangue, confirmou-se o que suspeitava. Era a droga que está na moda: a "Burundanga" ou escopolamina. " Você teve sorte" - me disse o médico. "Não foi uma intoxicação, apenas uma reação à droga... Não quero nem imaginar o teria acontecido se os teus dedos tivessem absorvido toda a droga ou ficassem em contato com ela por mais 30 segundos...." Com uma dose mais forte, uma pessoa pode ficar até oito dias “desligados deste mundo”. Nunca tinha pensado que aquilo podia acontecer comigo! E foi tudo tão rápido. O Médico do hospital (Dr. Raul Quesada) comentou que já são vários os casos como este e me falou dos mortos que são encontrados sem órgãos, encontraram-se restos dessa droga nos dedos deles. Estão traficando órgãos com esta droga!!!!!!!! A escolopamina ou burundanga, usada também em medicina, provém da América do Sul e é a droga mais usada pelos criminosos (geralmente agem em 3) que escolhem suas vítimas. Ela atua em 2 minutos, faz parar a atividade do cérebro e com isso os criminosos agem à vontade, fazendo com as vitimas o que querem: roubos, abusos, etc. E o pior: ELA NÃO SE LEMBRARÁ DE NADA!! Em doses maiores essa droga pode fazer a vítima entrar em coma e até levar à morte. Ela pode ser utilizada em doces, papéis, num livro, ou ainda em um pano, que uma vez aberto, deixa escapar a droga em forma de gás... O Ricardo Boechat deu hoje uma notícia sinistra na TV. A notícia era sobre uma mulher que comprou uma garrafa de água em um sinal de trânsito, na Zona Oeste do Rio. Logo após beber a água a mulher começou a sentir-se mal e só lembra de ter acordado em uma lanchonete do Bob's, sem o carro, obviamente. Uma pessoa vende a água e uma moto segue o comprador para "socorrer" a vítima e levar o carro. A água foi analisada e constataram que continha um anestésico de uso veterinário.
É mole?!


Vamos ouvir agora Segóvia tocando Mozart e ensinando aos seus alunos a se divertirem e assim aliviar a tensão.



Esse vídeo fake com o grande Segóvia dando uma aula é muito engraçado - imperdível!


http://www.youtube.com/watch?v=xaCUTx0CJqs&feature=related

Recado do Cineasta Renato Menezes, autor de um filme de longa metragem ainda em produção sobre o Peter W. Lund...

... Dá uma olhada nesse video. Trata-se de uma escritora idosa, também, só que esta acaba de estreiar. Neste meu canal no youtube tem tb aquelas fotos de filmes do Bressane que te falei, e outras coisas mais.


http://youtu.be/6yZSpLk1uVc

Crítica sobre o desenho animado RIO, exibido com grade sucesso no Brasil.
Agora que o filme Rio já faturou o queria por aqui, que tal sermossinceros e falar a verdade...vi comentaristas (isto é,gente que ocupa a mídia) cantarem essefilme como se fosse a coisa mais bela do mundo. e não é.Rio é medíocre.os cariocas deveriam ficar ressentidos com essa visão clichê,quadrada, reacionária, que o filme mostra sobre a cidade.por acaso assisti o filme com meu filho e com amigos cariocas e seusfilhos. a impressão deles foi pior: isso nos envergonha., ouvi.portanto, precisamos ficar atento aos críticos que defenderam ofilme honestamente (e erraram, tudo bem) e aqueles "críticos" quereceberam grana da disney para defender esse filme medíocre.entre os filmes infantis dos últimos anos (e vi todos) este é umdos piores.medíocre, feito de clichês, sem novidades... um filme burro, feitopara render grana em cima de uma imagem do Rio que é ruim paracidade. reduzir o rio de janeiro a isso que tem no filme Rio éreduzir a cidade a um monte de velhos e gastos clichês.


Dioclécio Luz

sábado, 28 de maio de 2011

DESERTO (filme de Luis Rosemberg)




Posso Chamá-lo de
No Oráculo do Desencantado
Ulisses Atravessa o Deserto
Desperta dos Seus Sonhos

Meu querido artista Luis Rozemberg,

Vi e ouvi o seu discurso kinopoético sobre a desumanização e a desertificação do ser.
Impressionou-me muito o texto e a divisão estética dos seus narradores.
O masculino e o feminino dispostos frente a frente ao frio olhar da lente no jogo interpretativo e teatral das reflexões sobre as ruínas de uma civilização que não deu e não dará certo.
Denso e condensado, sem perder a leveza estética, o texto, que é teatro, flui através dos seus personagens, que é cinema, de forma surpreendente que só aos seres sensíveis, artista como você, é permitido conceber.
Um curta sobre toda a história do homem. Dos gregos aos modernistas; do Cristo a Nietsche; de Maiakovski a Augusto dos Anjos; de Rossellini a Artaud.
Sob o olhar da loura câmera japonesa as colagens do cotidiano, a loucura do desentendimento, a vulva e o túnel, carros na chuva, Kubrick e Kurosawa, o belo e o trágico, Dante e a chuva se apresentam aos elementos da natureza, Rô e Carolina exploram a linguagem das contradições na lida e na antiinterpretação do conteúdo latente das palavras contidas no belíssimo texto que nos é apresentado e presenteado.
O que mais podemos pedir a um artista que nos fala do desprezo do homem, do poder, do capital, pelo belo, pela natureza das coisas, pelo que pensamos e existimos, pelo que devemos saber.
“Se Deus existe somos todos deuses e tudo se tornou imoral no mundo sem a presença da arte”.
Obrigado Rosemberg e a todos que trabalham com você pelo belo filme.
Jose sette

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Poesia

Izabel Costa - Danças Brasileiras - Filme Encantamento

UM FILME MÁGICO

Acabei de ver e ouvir o meu filme Encantamento
Vejo-o sempre que quero encher o meu ego
Está-se triste, fica-se alegre
E consigo continuar o caminho
Um elixir do grande prazer
Cinema e deslumbramento

O Músico Camargo foi muito falado
Muito tocado e pouco ouvido
O italiano Guarnieri
Um brasileiro paulista
Comido pelos antropófagos
No apetite modernista
Deixou-nos sem se despedir...

Criado com maestria incomparável
Pela intuição sagrada da alma nacional
O polêmico personagem modernista
Deixou saudade

Lembro-me sempre de ti
Regendo músicos mineiros
Afinando as curvas sinuosas do barroco
Sobre todas as artes brasileiras
Compõe chorando
Ouro Preto

Viajante sem fronteira
Montanha que anda
Do sul sagra-se a sua origem
Do norte surge o seu rumo
Do nordeste soam as suas cordas

O Brasil ainda não o conheceu
Brasília não o quis entender

A vanguarda de sua música
Ultrapassa as mil imagens
Infinito movimento kinefônico
Encantado, único e inédito
Os seus ponteios de improvisos

Camargo Guarnieri, peço-lhe
Por toda a nossa história
Pelo passado
Em nome do povo brasileiro
Revele-se novamente
Proteja-nos!

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Memória de Minas

A Revolução dos Mineiros

Em 1842, o Brasil viveu o processo da “maioridade” no II Reinado. Eclodiam por todo o país vários movimentos revolucionários republicanos. Do ponto de vista do pico do Itacolomy, o megalítico pré-histórico, ícone dos movimentos libertários de Minas, a Revolução Liberal de 1842, liderada em Minas pelo então jovem deputado Teófilo Benedito Otoni é um acontecimento singular na história de Minas e do Brasil.
Dividido entre o amor da bela e grávida esposa Carlota e a aventura de se fazer à República, o jovem Otoni, decidido, resolve abandonar o quartel da saúde - uma vida digna e respeitada de recém casado, vivendo em uma bela casa na grande cidade - e sai às escondidas na noite chuvosa montado na besta Montanha para percorrer o caminho sem volta da revolução. Ottoni, destemido, contando com sua argúcia e com o seu carisma, arriscando-se para levar o povo mineiro ao levante, numa seqüência de fatos onde se misturam os ingredientes do romance, da aventura e do imponderável, constrói, em sua trajetória dramática, a lenda e a história. Do outro lado está o poder do Império. A história oficial.
Nos palácios, os áulicos, ocupados em discutir um outro Brasil, falam sobre o destino do menino rei e da sua futura esposa que está sendo procurada por um emissário nas cortes européias. O sentimento republicano é esmagado em São Paulo. Otoni, nesta ocasião, sabendo das notícias de que os paulistas se renderam às forças do exército imperial e entregaram às armas ao General Barão de Caxias, resolve ir ao encontro de seus seguidores e de seus companheiros que ficaram em Minas Gerais. O rebelde deputado levaria do Rio para Minas uma “mentira” estratégica:“Os paulistas revolucionários, resistiam bravamente...” quando, em verdade, já haviam se rendidos. Seu irmão tenta convencê-lo a ficar em casa - sua mulher está grávida - eis o seu último argumento. Otoni não se deixa convencer - “Minas ainda pode resistir e mudar os rumos do país” - e, com seu forte ideal republicano, avança diuturnamente contra todas as barreiras e perseguições imposta pela polícia da monarquia. Mas, finalmente, enganando os soldados, passando a galope pela ponte que corta o rio Paraibuna, atravessa a divisa do Rio, chega às Gerais onde é recebido com muita festa por seus companheiros revolucionários.
Com sua liderança, pelas estradas e trilhas que o leva à Barbacena, obtém as adesões das classes produtoras e também dos trabalhadores. Encontra no caminho, o amigo e também deputado correligionário, Cônego Marinho, fiel companheiro de toda a revolução. Otoni e o movimento de Minas preocupam o Império. O Império pede ao Barão de Caxias que assuma o comando das tropas e marche rumo a província de Minas. Na mais famosa das batalhas, a de Santa Luzia, os rebeldes mineiros, antes da derrota final, rechaçam o legendário Caxias e o exército imperial. Derrotados, os revolucionários mineiro, são presos no arraial de Santa Luzia. Teófilo Otoni preso é levado a julgamento na cidade de Ouro Preto, antiga Vila Rica. O julgamento popular e tenso, no seu início, pelo desejo da corte de se aplicar ao réu, como exemplo ao país, a maior das penas. Faz com que Otoni, desenvolva a sua brilhante autodefesa: “Otoni entra no tribunal espremido pelo público que lota as galerias, e no seu meio, inicia a sua defesa. Todos estão atentos ao brilhante orador, entre todos se nota uma jovem e bonita mulher com uma criança no colo. Ottoni, visivelmente emocionado, vê, através dos olhos dela, sua esposa, e da criança, seu filho, os acontecimentos que compõem a história da revolução.
Um jornal circula pelas mãos dos que ali estavam com a seguinte manchete: Presos de Ouro Preto, peçam misericórdia!
As movimentadas seqüências históricas e revolucionárias, terminam com a derrota e a prisão do herói em Santa Luzia e o seu julgamento em Ouro Preto, então capital das Minas Gerais, onde é absolvido pelo clamor popular contra a vontade da corte. Liberto, nos braços do povo, recebe, como seu maior troféu, a pena que assinou a sentença de sua liberdade.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Memória

Oscar Niemayer e Vinicius de Moraes sendo fotografados em 35mm por Jose Sette


Vocês Precisam Conhecer O Cinema Experimental Brasileiro


Existe a mais de cem anos um cinema mundial de vanguarda que muito pouca gente conhece e que se fosse conhecido a muita gente interessaria. No Brasil foram realizados muitos filmes de vanguarda e de arte; poéticos, políticos, experimentais, longas e curtas. Todo esse mosaico criado é dirigido por pessoas instigantes, polêmicas e inteligentes. Conhecido como o Cinema Experimental Brasileiro, ou Cinema de Invenção, é ainda um cinema que resiste, que está vivo, mas que ainda assusta. Um cinema que fala pela voz dos significantes: caboclo, mágico e atonal; de composição abstrata, moderníssima; onde toda a história está na cabeça de cada um, feitas de sonhos vivos, de visão verdadeira e muitas das vezes inexplicável. No Brasil, este movimento cinematográfico de vanguarda, em épocas distintas, provocou a alguns realizadores o desejo de ver no cinema uma maneira de exprimir, com liberdade e sem medo, suas concepções estéticas e artísticas. Não se pode falar das boas artes e da imagem em movimento, sem falar das origens de uma cinematografia nascida em 1917, durante a revolução soviética. Todos aqueles jovens revolucionários presentearam ao mundo, através de um movimento artístico sem precedentes, com os seus personagens navegando livres entre a vanguarda da música: Stravinsky, Prokofieff; da poesia: Maiakovski; das artes plásticas: Kandinsky, Malevitch; do teatro: Gorki e do cinema: Dziga Vertov, Kulechov, Pudovkim e Eisenstein. Nascia ali a arte poética da criação, inteligente e transformadora, uma nova maneira de ver e de contar histórias fazendo a revolução estética de uma época, influenciando a arte em todo o planeta por sua grandeza cultural e artística. Os seus filhos rebeldes nascidos do sonho de uma revolução popular, que se quis internacional e socialista, tornou-se gênese de todos os movimentos de vanguarda no futuro. Arte depois sufocada pela prepotência de um guerreiro, do soldado, do ditador, do estúpido e grosseiro Stalin. O homem que derrotou os nazi-fascistas para depois romper com a liberdade massacrando a arte e aprisionando o seu povo. A grande música da arte, iniciada na terra dos Tzares, sobrevive hoje em outros grandes países. No Brasil o cinema experimental, o cinema que revolucionou as imagens, os enquadramentos e suas concepções estéticas, nasceu entrelaçado entre o cinema socialista, a arte futurista, o movimento expressionista alemão, o neo-realismo, a nouvelle-vague e a kinopoiesis do Limite de Mário Peixoto. É preciso trazer de volta os instigantes cineastas Dziga Vertov, Robert Wiene, Fritz Lang, Murnau; L’Erbié, René Clair, Abel Gance, Duchamp, Man Ray Buñuel, Felline e Pasoline, Orson Welles e depois, o poeta da desconstrução, Jean Luc Godart e apresentar ao Brasil um cinema de arte, de baixo custo, experimental, inventivo e transformador. Este é o mote destes artistas, poetas dos movimentos, das imagens e dos sonhos. O novo cinema brasileiro de Glauber Rocha, Rogério Sganzerla, Julio Bressane, Neville, Tonacci, Visconti, Lanna, Reichenbach, Rosemberg, Veloso, e os mais novos como Ricardo Miranda, Fábio Carvalho, Gilberto Vasconcelos, Marcelo Ikeda, Leonardo Esteves, entre outros, que revolucionam as linguagens acadêmicas, estatais, ditatoriais e mercantilistas de uma época, criando um cinema nosso, inventivo, diferenciado em relação a sua história, é o que se precisa ser mostrado. Aos brasileiros sensíveis perguntamos: um cinema histórico, polêmico, poético, de arte, não comercial, marginal, poderá e deverá continuar existindo, ou se tudo não passou de alucinantes quimeras de jovens criativos e rebeldes?Ao se apresentar ao público brasileiro um dos mais importantes capítulos da nossa cinematografia: o cinema experimental, de invenção, udigrude, marginal, que nasceu no final da década de 60, através de uma revisão crítica do jovem cineasta Rogério Sganzerla, na época com 23 anos, que passou a lançar pela imprensa nacional, matérias inflamadas contra a muito cultuada estética cinemanovistas e a evidenciar, e mesmo enaltecer, um cinema marginalizado e pouco recomendado pela crítica oficial - filmes de José Mojica Marins, o Zé do Caixão e de Carlos Manga, as chanchadas da Atlântica, que ele considerava “ uma das nossas mais ricas tradições culturais”. Rogério, admirado e odiado por Glauber, foi reconhecidos pelo seu valor criativo e estético, principalmente quando realizou, em abril e maio de 1968, o filme “Bandido da Luz Vermelha”, o primeiro “far-west sobre o Terceiro Mundo”. Este movimento cinematográfico veio a existir, concomitantemente, com um dos momentos políticos mais tensos por que passou o país. As relações culturais, à maneira de outras explosões criativas de renovação e contestação, que se sucederam pelo mundo, forjaram um movimento cinematográfico de resistência que é a base estrutural de uma cultura artística e que ainda hoje, tem muito a nos oferecer.

terça-feira, 24 de maio de 2011

UM NOVÍSSIMO CURTA DE UM VELHO CINEASTA

Caríssimo Zé,


acabei um novo curta que já está no YOUTUBE. Chama-se "DESERTOS" e é muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuitíssimo pessoal. Podendo, tendo tempo e saco veja-o!




Gostei muito de tê-lo feito e vai ficar um pouco como TESTAMENTO. Se me for desta para outra vai ficar como despedida. Espero não ir, mas nunca se sabe.

E o teu longa? Faça-o como puder!

Cuide-se. Abraços.


UPA!UPA!UPA CAVALINHO ALAZÃO...
É inacreditável o que eu vou contar. Acordei hoje com a minha mulher passando mal. Estamos morando em Cabo Frio a mais ou menos cinco anos. Conhecemos poucas pessoas e fizemos alguns amigos. Levei a minha mulher a UPA da cidade, embora ela tenha o seguro saúde da UNIMED, pois tínhamos informação que a Unidade de Pronto Atendimento estava funcionando bem, e como eu tive uma péssima experiência no hospital da cidade, que representa a nossa seguradora UNIMED, com uma médica que me fez um diagnóstico totalmente errado – tomei uma caixa inteira de antibiótico sem necessidade – pensei que a tal UPA fosse a melhor opção. Assim que chegamos na sala do atendimento, ela já estava amontoada de gente sofrida. Quando íamos entrar o segurança na porta colocou a mão grossa no meu peito e disse: - É proibida a entrada de acompanhante... Pensei logo na marchinha de carnaval do Lamartine, mas achei mesmo que foi uma grosseria e como não havia lugar para se sentar e esperar o atendimento que, segundo um senhor humilde do povo local, estava demorando em média duas horas, então eu, preocupado, tentei convencer a minha mulher de que deveríamos pegar o carro e irmos prontamente para o Rio ou mesmo Juiz de Fora, onde temos grandes amigos que são médicos renomados na cidade.Ela não quis, pois tinha compromissos inadiáveis, e lá fomos nós para o inóspito hospital de amarga lembrança. Saímos do parque Burle e chegamos ao centro da cidade. No hospital, com sua fachada de época inglesa da II grande guerra, na sala de espera, que estava cheia de doentes e acompanhantes, tinha uma cadeira vazia. Uma coitada, com suspeita de dengue hemorrágica, fervendo de febre gemia na cadeira depois de uma hora sem ainda conseguir o urgente e necessário atendimento. Tive que sair da sala pois começava a ficar irritado com a irresponsabilidade médica e administrativa que ali se processava. Minha mulher, com febre e dor de cabeça, esperava pacientemente ser chamada para a sua consulta. Passaram-se três horas e meia e nada... Inacreditável! Reclamei na recepção. Ninguém falou. Silêncio. Finalmente uma anunciante vestindo azul abre a porta do ambulatório e chama o próximo... Eu entro com ela. O médico, mais velho com a cara fechada, parecia que estava de saco-cheio, ouve impaciente o histórico da paciente e com rapidez preenche o pedido de exame de urina e sangue tendo a desfaçatez de nos dizer no final da rápida consulta para que ela, com o resultado do exame, ir procurar o seu médico. Ora se tivéssemos algum outro médico para procurar não estaríamos ali agora com ele. Depois disso ainda fomos até o escritório da UNIMED para preenchermos a guia de exame, dentro do plano de saúde feito em Juiz de Fora, onde pagamos seiscentos reais por mês. O exame foi recusado pois deveria ter sido feito no próprio hospital que pelo que sei não possui os laboratórios necessários. UPA! UPA! Ai tem alguma maracutaia. Embora pagamos religiosamente a UNIMED temos que pagar a um particular os exames pedidos. Não é incrível? Eu que nasci em uma família de médicos e de políticos, fico escandalizado com o que eu ouvi, desde que aqui cheguei, a respeito da questão da saúde pública na cidade. Meu pai foi quem trouxe o primeiro posto de saúde para Cabo Frio, isto em 1958, quando foi diretor geral do SAMDU, no governo de Juscelino. Depois foi cassado e quando anistiado elegeu-se prefeito da sua cidade natal. Sua primeira obra foi um posto de saúde de urgência, um novo SAMDU que ele chamou de SAMU, para todo o município. Esse posto por servir com dignidade o cidadão nunca foi fechado por seus opositores e, existindo até hoje, tornou-se um marco de sua administração. Falo do meu pai pois essa cidade que é governada por um jovem médico deveria ter, com o orçamento que tem, além de outras coisas que não tem, pelo menos um belo serviço de saúde para o cidadão, para o seu povo, o que, como tantas outras coisas por aqui, infelizmente não acontecem.


segunda-feira, 23 de maio de 2011

CONVÉS

Êta marzão besta sô!
Jose Sette

(Matéria publicada em maio no jornal Convés de Cabo Frio)

Quando o caiçara, o carioca, o homem do mar, vai visitar o ribeirinho, o caboclo, o pré-histórico habitante das montanhas que compõem o início dos aglomerados das serras que formam o Espinhaço, ele se extasia com a beleza existente na complexidade e no peso das terras dos sem fim perdido no seu horizonte findo. Subindo a serra, ao passar pela cidade do Imperador, o praieiro começa logo a descortinar, pouco a pouco, um conjunto de morros harmoniosamente ondulados, às vezes revoltos, às vezes plácidos, repletos no passado de ferro, ouro e pedras raras, preciosidades escondidas, esmeraldas perdidas, bandeirante na mais exuberante das matas - a mata atlântica. Essas terras das minas continuam tendo a aparência de um grande tapete verde, antes escuro denso pela mata fechada, hoje carregado de um verde claro suavizado na cor do capim braquiária, alimento do maior rebanho de gado do país, que realça, por ser rasteiro, ainda mais os contornos dos montes que se sucedem fazendo uma grande parte deste Estado parecer, aos olhos de um poeta, um mar de montanhas. Esta tormenta indelével de montes trás do montes, esse sentimento de aprisionamento, esta obsessão por uma saída é, penso eu, um dos motivos para que muitos mineiros tenham essa necessidade de estar sempre perto do mar. Assim, o grande mineiro Teófilo Ottoni, já no século dezenove, depois de ser preso por comandar a revolução liberal de 1842 em Minas e sendo absolvido em Ouro Preto, por aclamação popular, sai da política e vai empresariar no norte do estado uma companhia que tinha como único objetivo satisfazer, através da navegação do Rio Mucuri, o desejo ardente de encontrar uma saída da Província de Minas para o mar, para a liberdade. Há tempos atrás, o Rio de Janeiro, por ser a capital federal, fazia com que os grandes homens de Minas, políticos, intelectuais, banqueiros e a sua elite rural de coronéis e fazendeiros, possuíssem apartamentos e morassem perto das praias cariocas. Assim surgiu a lenda de que o sonho do mineiro era morar no Rio de Janeiro. Mais foi o presidente Juscelino Kubitschek, na palavra da lenda, quando prefeito de Belo Horizonte, quem mandou construir a grande lagoa da Pampulha (projeto de Oscar Niemeyer, outro mineiro que sempre viveu no Rio) para poder se sentir ainda perto do mar quando no vôo rasante de sua chegada ao aeroporto descortinasse o grande espelho d’água da sinuosa lagoa. Na década de sessenta havia um político em Belo Horizonte conhecido com Deputado Nelson Thibau que tinha como meta de campanha o projeto de encher a lagoa da Pampulha com água salgada vinda em grandes tubulações diretamente do mar de Copacabana. Uma espécie de maroduto que traria a alegria da praia carioca aos menos favorecidos da capital mineira. Isto não é uma lenda! Assim, nesta torrente de salgados desejos, em busca da liberdade, o povo mineiro foi expandindo os seus horizontes e era comum encontrá-los nas mais diferentes partes do mundo, sempre perto do mar. Em Londres, que é uma ilha, onde morei por um tempo, o que mais se encontrava pelas ruas era mineiros e indianos. Em Cabo Frio, onde moro agora, os mineiros também fizeram a festa. Meu pai, um mineiro getulista, em 1958 trouxe para essa cidade o SANDU, seu primeiro posto de saúde de urgência. Temos todos os tipos de mineiros. Todos amam o mar. O banqueiro Magalhães Pinto, entre outros, tinha aqui o seu lugar de descanso. Uma bela casa construída e conservada no único bairro que ainda não foi destruído com a ajuda de outros mineiros empreendedores e gananciosos, donos de famigeradas construtoras, que tentaram fazer da praia do forte uma nova Copacabana, sem, obviamente, o charme daquele bairro boêmio carioca, por pura especulação imobiliária. Os tempos mudam. O mineiro de hoje, empobrecido, cedeu o seu espaço nas praias e na política para os paulistas e outros estrangeiros. Acabou-se a velha política do café-com-leite que por muitos anos dominou a vida pública nacional. Hoje só restou o neto de Tancredo, o jovem Aécio Neves, que faz do Rio de Janeiro a sua casa e tenta, ainda sem muito sucesso, manter essas tradições que andam perdidas no espaço, no tempo e nas histórias das velhas Minas Gerais.

domingo, 22 de maio de 2011







Nem

Tudo

É

Verdade

Sem nenhum baixo-astral fico imaginando, em alguns momentos de tédio existencial, o que seria melhor que me acontecesse após a morte. A primeira coisa que me vem à mente, talvez por minha formação católica, é a imagem infantil aprendida na catequese do céu e do inferno. Penso logo o inferno são os outros. Simonia. O mundo está repleto de capetas que são anjinhos e de anjinhos capetas. Algumas vezes tento pensar todas as possibilidades dessa metáfora consultando todos os pensadores católicos e sempre caio no enigma da reencarnação. O eterno retorno. Isso não é o melhor pra mim, não quero retornar novamente como um animal, mesmo sendo racional.
Chego então à física e tento pela matemática somar os contrários, tirar do nada alguma coisa, achar o paralelo quântico de outros mundos que poderiam ser interessantes. Não consigo imaginar o meu Eu em um mundo de luz, sem sombra, pois até o sol tem seus buracos negros. Mas sei que ele é de quinta grandeza e de repente posso acordar em um mundo banhado por um sol de quarta grandeza e logo depois de terceira, de segunda, até atingir a grande estrela Sirius de primeira. Pode acontecer também que eu morto passe a sonhar com todos meus personagens, durante toda uma nova vida construída no tempo mágico dos sonhos. Pensamos quando sonhamos? Para existir é preciso pensar na mais pura loucura de se estar vivo. Quanto tempo nós viveríamos sonhando? Penso sobre o fim e não chego nunca à conclusão do começo. O recomeço não é impossível. Nascer novamente, chorando a dor do parto, nunca mais! Eu penso e se penso logo existo, essa máxima filosófica, foi à primeira verdade que me fez suscitar a dúvida de que uma alma que não pensa possa ser eterna. Nas verdades contidas na história da filosofia, em todos os livros de todas as bibliotecas. Quanto mais sei mais ignorante me sinto, um paradoxo, foi a segunda. Na frente de mim todo um deserto. A figura do absoluto, de um deus uno e criador de todas as coisas, da redenção, não me convencem de que a partir dele eu possa ter um bom caminho de passagem. Sou capaz de uma blasfêmia para desvendar esse segredo: a ciência acha que tudo começou com uma grande explosão do nada. Acho a hipótese do Big Bang, a grande explosão de luz, que é uma imagem tão forte de imaginação, que vejo o dedo de deus apertando o botão do grande cataclismo cósmico que gerou todo esse sistema e conseqüentemente a vida. Essa grande explosão pode estar acontecendo a todo o momento, a cada segundo universal. Pensei nisso tudo quando vi a foto de bilhões de estrelas concentrando-se, afunilando-se, em um grande cone de luz. (foto aqui publicada). Uma implosão fora do tempo e do espaço. Então eu penso que o mundo dos vivos é igual ao mundo dos mortos e que este universo afinal vive em constante mutação, embora possua um número infinito mas constante de estrelas é invariavelmente uma eterna somatória dos contrários de tudo que já existiu, onde nada se cria e eternamente tudo se transforma.

www.documentarios.org/video/.../o_inicio_de_tudo/

sábado, 21 de maio de 2011

Um conto encantador
de Antônio Maria


Aconteceu na Avenida Copacabana, esquina de Santa Clara. Uma jovem senhora chamou o guarda e apontou o homem, encostado a um poste:— Prenda este homem, que ele está se portando inconvenientemente.
Era um homem magro, pálido, vestido em casimira velhinha. Não tinha cara de gente má. Ao contrário, seus olhos eram doces e mendigos. O policial segurou o homem pela lapela. O homem não se mexeu. Apenas levantou os olhos e perguntou: – Por quê? A senhora estava uma fúria e dizia num fôlego só:— Há uma hora este cidadão me segue. Começou no lotação. Desceu quando eu desci. Entrei numa loja e ele entrou também. Andei um quarteirão e ele andou também. Entrei no mercadinho e ele entrou também…— E lhe disse alguma coisa?— Não. Só olhava.
O guarda soltou a lapela do homem. O homem agradeceu. O guarda dirigiu-se ainda à mulher:— Mas ele só olhava?— Sim. Mas olhava de maneira obscena. O guarda perguntou, então, ao homem:— Você olhava de maneira obscena?— Sim. Não sei mentir. Mas qualquer um no meu lugar faria o mesmo. 0 senhor já viu ela andar? 0 guarda viu depois, quando a mulher desistiu da prisão do seu espectador e foi andando.
Não se deve explicar muito, mas é preciso que se diga: era uma moça brasileira. Uma moça de formato brasileiro, com movimentos brasileiríssimos. Dessas que deviam ter, como certos automóveis, uma tabuleta às costas, onde se lesse: “Amaciando


Loucura Pouca é Bobagem


"Planetas de livre flutuação podem ser mais comuns do que as estrelas"Os astrônomos, incluindo um membro da equipe patrocinada pela NASA, descobriram uma nova classe de planetas do tamanho de Júpiter flutuando sozinhos no escuro do espaço, longe da luz de uma estrela. A equipe acredita que estes mundos solitários, provavelmente, foram excluídos de desenvolvimento de sistemas planetários. A descoberta é baseada em uma pesquisa conjunta Japão - Nova Zelândia, que examinou o centro da Via Láctea em 2006 e 2007, revelando evidências para até 10 planetas flutuantes com massas equivalentes a de Júpiter.



E os discos voadores continuam sobrevoando o mundo...






sexta-feira, 20 de maio de 2011

ESCOLA

EDUCAÇÃO

A educação no Brasil é uma vergonha. Já não bastassem todas as crianças que ainda não tiveram a oportunidade de entrar em uma sala de aula. E quando lá chegam nada aprendem pois, como diz a professorinha, todos que se dedicam ao magistério neste país têm que trabalhar dobrado para ter um mínimo salário que sustente uma vida mais ou menos digna.

Vocês já viram essa professorinha na assembléia do RGN? É de perder o fôlego.




quarta-feira, 18 de maio de 2011

Cartas

RECADO

Você, meu caro leitor, faz todos os dias comigo uma viagem com a minha cabeça, com meus pensamentos e reflexões sobre uma quantidade ilimitada de assuntos recolhidos dia após dia aqui nesta revista eletrônica e sabe que em outras páginas também venho depositando a memória de toda arte poética que encontro e me encanta neste meu caminho. Exercito às vezes a criação de alguns textos críticos e algumas notas informativas. Aos poucos vou revelando e entregando a vocês o meu tesouro escondido: o meu cinema de invenção – Cineartesão – e também os meus roteiros nunca filmados. O Celukino – a visão imediatista de um celular. Fotos ilustrativas dos textos e os meus trabalhos nas artes plásticas. Exponho-me de coração aberto e fico feliz com os meus cinqüenta visitantes/dia.
Participem mais com comentários, críticas, interagindo pelas páginas elétricas do KYNOMA comigo e com todos. Há mais de dois anos vocês já me conhecem. Eu gostaria muito agora de conhecer vocês... Não precisam se identificar, mas participem, mande logo o seu recado pelo josesetteb@yahoo.com.br

CARTA AO PAI

F. Kafka


Querido pai,
Tu me perguntaste recentemente por que afirmo ter medo de ti. Eu não soube, como de costume, o que te responder, em parte justamente pelo medo que tenho de ti, em parte porque existem tantos detalhes na justificativa desse medo, que eu não poderia reuni-los no ato de falar de modo mais ou menos coerente.
E se procuro responder-te aqui por escrito, não deixará de ser de modo incompleto, porque também no ato de escrever o medo e suas conseqüências me atrapalham diante de ti e porque a grandeza do tema ultrapassa de longe minha memória e meu entendimento.
Para ti a questão sempre se apresentou bem simples, pelo menos enquanto falaste dela diante de mim e, sem cuidar a quem, diante de muitos outros. Para ti as coisas pareciam ser mais ou menos assim: trabalhaste pesado durante tua vida inteira, sacrificaste tudo pelos teus filhos, e sobretudo por mim, enquanto eu “vivi numa boa” por conta disso, gozei de toda a liberdade para estudar o que bem quisesse, não precisei ter nenhuma preocupação com meu sustento e portanto nenhuma preocupação, fosse qual fosse; não exigiste gratidão em troca disso, tu conheces “a gratidão de teus filhos”, mas pelo menos um pouco de boa vontade, algum sinal de simpatia; em vez disso eu sempre me encafuei de ti em meu quarto, com meus livros, com amigos malucos, com idéias extravagantes; falar de maneira aberta contigo eu jamais falei, no templo jamais fui ao teu encontro, em Franzensbad jamais te visitei e aliás jamais tive senso de família, não me importei com o negócio nem com teus demais assuntos, a fábrica eu joguei às tuas costas e depois te abandonei, apoiei Ottla em sua teimosia e, enquanto não movo um dedo por tua causa (nem sequer uma entrada de teatro eu trago a ti), faço tudo por estranhos. Se resumires teu veredicto a meu respeito, te darás conta de que não me acusas de nada indecoroso ou mau, é verdade (excetuado talvez meu último propósito de casamento), mas sim de frieza, estranheza, ingratidão. E tu me acusas de tal modo, como se fosse culpa minha, como se eu pudesse, com uma guinada no volante, por exemplo, conduzir tudo para outra direção, ao passo que tu não tens a menor culpa a não ser talvez pelo fato de ter sido demasiado bom para comigo.
Essa tua maneira usual de ver as coisas eu só considero certa na medida em que mesmo eu acredito que não tenhas a menor culpa em nosso alheamento.
Mas também eu não tenho a menor culpa. Se eu pudesse te levar a reconhecê-lo, então seria possível, não uma nova vida – que para isso estamos ambos velhos demais –, mas uma espécie de paz, não a cessação, mas pelo menos um abrandamento das tuas intermináveis acusações.
Curiosamente tu tens alguma noção a respeito daquilo que estou querendo dizer. Assim, por exemplo, disseste há algum tempo: “Eu sempre gostei de ti, mesmo que na aparência eu não tenha te tratado como outros pais costumam tratar seus filhos, justamente porque não sei fingir como eles”. Ora, pai, no que diz respeito a mim, jamais cheguei a duvidar de tua bondade para comigo, mas considero esta observação incorreta. Tu não consegues fingir, é verdade, mas afirmar, apenas por esse motivo, que os outros pais fingem é ou pura mania de mostrar razão a fim de acabar com a discussão ou – e é isso que de fato acontece, na minha opinião – a expressão disfarçada de que as coisas entre nós não estão em ordem e de que tu ajudaste a provocá-las, mas sem culpa. Se de fato pensas assim, então estamos de acordo.
Naturalmente, não quero dizer que me tornei o que sou apenas através da tua ascendência. Isso seria por demais exagerado (e eu até me inclino a esse exagero).
É bem possível que eu, mesmo se tivesse crescido totalmente livre da tua influência, não pudesse me tornar um ser humano na medida em que oteu coração o desejava. É provável que mesmo assim eu me tornasse um homem débil, amedrontado, hesitante, inquieto, nem um Robert Kafka nem um Karl Hermann, mas de todo diferente do que hoje sou, e nós poderíamos suportar um ao outro de forma maravilhosa.
Eu teria sido feliz em ter a ti como amigo, como chefe, como tio, como avô, até mesmo (embora já mais hesitante) como sogro. Mas justamente como pai tu foste demasiado forte para mim, sobretudo porque meus irmãos morreram ainda pequenos, minhas irmãs só vieram muito depois e eu tive, portanto, de suportar por inteiro e sozinho o primeiro golpe, e para isso eu era fraco demais.
Compara-nos um com o outro: eu, para expressá-lo de maneira bem atrevida, um Löwy com um certo undo kafkiano, mas que por certo não é acionado pela vontade de viver, de fazer negócios e de conquistar kafkianas, mas por um aguilhão löwyano, que atua de maneira mais secreta, mais tímida, em outra direção e muitas vezes inclusive cessa de todo. Tu, ao contrário, um verdadeiro Kafka na força, na saúde, no apetite, na potência da voz, no dom de falar, na auto-satisfação, na superioridade diante do mundo, na perseverança, na presença de espírito, no conhecimento dos homens, em certa generosidade, naturalmente também com todos os defeitos e fraquezas que fazem parte dessas qualidades, nas quais teu temperamento e por vezes tua cólera te precipitam. Talvez não sejas um Kafka completo em tua visão geral de mundo, pelo menos na medida em que posso comparar-te a tio Philipp, a Ludwig, a Heinrich.
Isso é curioso, mas aqui também não vejo com muita clareza.
É que eles eram mais alegres, mais dispostos, mais desenvoltos, mais levianos, menos rigorosos do que tu. (Nisso, aliás, herdei muito de ti e administrei a herança bem demais, sem no entanto ter no meu ser os contrapesos necessários conforme tu os tens.) Por outro lado, tu também atravessaste outros tempos no que diz respeito a isso, foste talvez mais alegre, antes de os teus filhos, sobretudo eu, te decepcionarem e oprimirem em casa (pois quando chegavam estranhos, eras diferente) e talvez agora voltaste a ficar mais alegre, uma vez que os netos e o genro te devolveram um pouco daquele calor que os filhos não puderam te dar, a não ser Valli, talvez.
Seja como for, éramos tão diferentes e nessa diferença tão perigosos um para o outro, que se alguém por acaso quisesse calcular por antecipação como eu, o filho que se desenvolvia devagar, e tu, o homem feito, se comportariam um em relação ao outro, poderia supor que tu simplesmente me esmagarias sob os pés, a ponto de não sobrar nada de mim.

terça-feira, 17 de maio de 2011

Notícias Recolhidas na Imprensa

Como as pessoas podem ainda acreditar nos dirigentes do mundo financeiro, da elite capitalista que norteia os destinos dos povos, se eles, a cada dia que passa, mostram as suas cruéis faces de sinistros déspotas. Se você pega um alto dirigente das finanças internacionais que se diz socialista e é preso por assédio sexual, um dito competente dirigente e possível candidato a presidência de seu país, um europeu reconhecidamente bem informado, educado nas melhores escolas, mas não atento a história do seu povo, torna-se, pra mim, inacreditável que esse banqueiro tem, ou tinha, grandes chances de sair vitorioso em uma disputa a presidência da república da França. Um banqueiro socialista. A quem eles querem enganar. Esse fato mostra-nos que para o poder do dinheiro não há limite e não há idade. O absolutismo não tem regras sociais, ataca por todos os lados e é a mulher escravizada pelo sistema a ponta do iceberg desse domínio sinistro.
Não é só a decadência americana, como foi escrito no artigo anterior, mas a inteligência, o saber, o novo na cultura e nas artes, a evolução humana e filosófica da mente aberta e livre, a igualdade, a fraternidade, valores que orientavam o pensamento europeu estão se perdendo de uma maneira irremediável com o passar dos anos em que se tenta popularizar a ganância consumista da tal economia de mercado e do pensamento macabro do neoliberalismo.




EUA - A recuperação econômica sem criação de postos de trabalho nos EUA está se convertendo em uma recuperação sem trabalho e renda. Os salários se contraem, os postos de trabalho escasseiam, o auxílio desemprego acaba e o dólar despenca. Pode-se duvidar que os EUA estão em meio a uma depressão? Há 14 milhões de desempregados, 42 milhões dependendo dos cartões de alimentação, os sem teto não param de crescer, os despejos subiram para 2 milhões por ano. A notícia economicamente mais relevante deste primeiro semestre de 2011 é a da queda dos salários reais. A fim de manter os postos de trabalho, milhões de estadunidenses estão aceitando reduções salariais.

Líbia 1001 Noites de Terror Bombardeios da Otan destroem prédios do regime em Trípoli




sábado, 14 de maio de 2011






MOSTRA ODETE LARA

Prezado José Sette,

Agradecemos todo o apoio na realização da mostra Odete Lara, atriz decinema e convidamos para assistir às sessões dos filmes.A programação completa, textos, fichas técnicas e demais informaçõesestão no site:


Muitas pessoas acreditam que o mundo como o conhecemos vai
acabar em 23 de dezembro de 2012, com o final do Calendário Maia.
Bobagem, eu digo. A resposta mais honesta é que o fim do mundo como o conhecemos já começou . E isso não significa o fim do mundo, o que significa É o fechamento de uma era e o nascimento de uma nova. É uma transição entre as idades. Esta transição, nomeadamente, no entanto, promete ser a mais cara e mais tumultuada transição que a humanidade já viu.
Mas não espere chegarmos em torno de dezembro de 2012 para procurar os sinais. Aqui estão 14 sinais de que o mundo como nós o conhecemos está com seu final se desenrolando extamente agora. Estamos vivendo o fim de uma era e o nascimento de uma nova . No futuro , eles vão olhar para trás e chamar tudo isso de um momento da história , mas quando você está vivendo e passando através dele, que parece avançar em ritmo quase de caracol. Mas não se enganem:
Estamos vivendo os primeiros capítulos do fim do mundo como nós o conhecemos, e do outro lado de tudo isso vai surgir um mundo novo que é muito diferente do que conhecemos hoje.
1 - tornados, furacões, terremotos e tsunamis - No início parecia uma casualidade, mas agora é um padrão. O clima/tempo está se tornando cada vez mais extremo. Mais de 120 tornados recentemente atingiram o Centro-Oeste dos EUA. O Texas está em chamas e sofrendo através de uma extrema e pior seca . E onde não há incêndios e secas, há inundações. Este é apenas o começo ... relógio para freak tempo mais longo dos próximos 18 meses.
2 - O silêncio das abelhas - A doença conhecida como Colony Collapse Disorder- CCD continua a acelerar no Norte da América . Nós já sabemos que ela está sendo causada em parte pela química dos pesticidas (e possivelmente agravada por alimentos geneticamente modificados OGM ), mas a indústria química está envolvida em um encobrimento completo de sua culpa para negar esta verdade enquanto as abelhas e os zangões, os polinizadores do nosso mundo sofrem um colapso devastador na sua população.
3 - O fracasso da ciência nuclear - A catástrofe na usina nuclear de Fukushima prova uma coisa: os cientistas estão perigosamente arrogantes em seu planejamento de escala de grandes projetos, e eles não conseguem dar conta do incrível poder da Mãe Natureza. A ciência nuclear nos prometeu energia verde e limpa -, mas agora ela emitiu um invisível, silencioso, radioativo e mortal veneno que está infectando todo o nosso planeta.
4 - A busca viciosa da Wikileaks - Em uma época de decepção tão galopante, não há espaço para a verdade. Portanto, aqueles que dizem a verdade (Wikileaks) são cruelmente perseguidos como se fossem criminosos.
5 - A ascensão do estado médico/policial - As incursões armadas da SWAT em Maryanne Godboldo em Detroit são apenas o começo. A verdade é que o sistema médico já esta usando armas para forçar a aplicação de suas vacinas e a sua quimioterapia em crianças e adolescentes através de sua disseminação pela América. O sistema médico tornou-se assim totalmente inútil, corrupto e perigoso que deve realmente invocar às armas para enfrentar e apenas para "convencer" as pessoas a tomarem os seus remédios . Este monopólio médico imposto pelas armas que existe como uma ameaça à nossa saúde e nossas liberdades.
6 - O aumento da frequência de escassez de alimentos e de más colheitas - Observe o pico de preços dos alimentos ? Isso é apenas o começo: Os preços dos alimentos continuarão a subir rapidamente nos próximos anos devido às condições meteorológicas extremas, a perda de polinizadores e a contaminação global pelo envenenamento de culturas de Organismos Geneticamente Modificados-OGM. Os alimentos naturais estão se tornando cada vez mais escassos no nosso mundo "moderno". Você pode querer pensar sobre como iniciar a produzir a sua própria horta ...
7 - A destruição descontrolada do mundo por empresas de energia - A precipitação radioativa de Fukushima não é a única maneira em que as empresas de energia estão destruindo o nosso planeta e seu ambiente natural: Não se esqueça do incêndio da Plataforma da BP-British Petroleum (controlada pela família real britânica) Horizonte Deepwater e o derrame maciço de petróleo (provocado intencionalmente) no Golfo do México - um derrame que AINDA não acabou, ele esta pelo caminho. Eles estão ainda a pulverizar o veneno dispersante COREXIT no Golfo do México, mais de um ano depois!
8 - A continuidade da contaminação pelos OGM do nosso planeta - Este pode ser o pior capítulo no próximo colapso: A poluição genética GENERALIZADA do nosso planeta através de organismos OGM. Este é um crime contra a natureza e contra a humanidade. É um "derramamento de genes", que nunca pode ser contido enquanto espalha o seu DNA mortal em todo o mundo nas culturas , para produção de alimentos (a soja modificada geneticamente já é usada em larga escala no planeta) levando a quebras de safra e a fome. A utilização de OGM é a coisa mais próxima de "satânico", que poderíamos encontrar na agricultura moderna. A agenda por trás disso é a pura maldade.
9 - A tirania e a repressão penal visando combater o uso da comida de verdade (leite cru) - Quando você não consegue nem vender alimentos que foram produzidos honestamente para os seus vizinhos sem ser alvejado e preso pela polícia, algo está terrivelmente errado com o mundo. Mas isso está acontecendo hoje, em toda a América do Norte!!!!. Agora, os federais estão ainda tomando como próximo alvo os Amish!
10 - A escalada da falsificação do dinheiro pela impressão sem controle - Em um sistema econômico que esta se aproximando do colapso, os líderes imbecis só podem pensar em "soluções" que realmente aceleraram a sua própria queda (e de todo o resto do país). A aceleração do aumento de impressão de dinheiro (dólares) pelo Federal Reserve (com a sua "flexibilização quantitativa" e outros métodos de falsificação) é um sinal clássico de que o fim do nosso sistema atual está se aproximando rapidamente e vai causar a hiperinflação pelo excesso de moeda SEM VALOR E LASTRO REAL NENHUM. As loucuras econômicas são evidentes para qualquer pessoa que ainda pode fazer contas e usar a matemática.
11 - A queda de inteligência das massas - Um dos sinais mais perturbadores de que já estamos em franco colapso é a grande imbecilidade que grassa para baixo nas massas. Meros zumbis salivando, assistindo televisão, noticiário controlado, CNN, zumbis consumindo enormes pacotes de pipoca e litros de coca-cola, que dominam a paisagem e nada oferecem ou contribuem com absolutamente nada de valor para o mundo. Eles são os "consumidores acéfalos", que se vacinam, olham televisão e comem alimentos processados, a comida feita de lixo pasteurizado. Eles estão se consumindo com remédios psiquiátricos e acreditam e aceitam tudo o que o governo lhes diz. A maioria dessas pessoas, é claro, não vão conseguir enfrentar o colapso iminente.
12 - A completa e absoluta fabricação/controle das notícias mainstream - Grande parte do fluxo de notícias é agora totalmente e completamente fabricado/manipulado nos dias de hoje: A informação sobre a certidão e o verdadeiro local do nascimento do "Presidente" Barack Obama, as notícias sobre a guerra na Líbia; a cobertura da economia e sobre à divida ( US$ 14 trilhões !!!) pública do governo dos EUA dívida ... É tudo tão completamente falso e inacreditável que uma pessoa inteligente assistindo as notícias não pode ajudar, mas vai explodir em gargalhadas (é o caso mais recente com a morte do "terrorista Osama Bin Laden", a última piada...). É um sinal do colapso que as fontes de informação invocadas pelas massas não são mais capazes de relatar a verdade e deve recorrer a tecer ficções politicamente convenientes em tudo, da saúde e medicina para o destino do dólar e dos próprios EUA em si mesmo.
13 - A contínua poluição farmacêutica do nosso planeta - Além da contaminação por OGM e da contaminação com a radiação do nosso mundo, nós também estamos experimentando a contaminação farmacêutica em massa do nosso planeta. Não é apenas nas fábricas farmacêuticas que despejam seus dejetos de produtos químicos para os rios é também o fato de que mais de metade da população está agora a tomar drogas quase que diariamente, e as drogas passam através de seus corpos e acabam na água de abastecimento onde contaminarão os peixe. Mesmo além disso, as drogas acabam no lodo de esgoto humano que é embalado e vendido como "adubo orgânica para o solo!"
14 - A contaminação radioativa planetária do abastecimento alimentar - Aqui está um mal que é muito traiçoeiro: A oferta global de alimentos está contaminada com a precipitação radioativa de Fukushima e anteriormente de outros acidentes como Chernobyl. Ao público é dito que os níveis de radioatividade são baixos "," mas não é dito a verdade de como os isótopos radioativos de césio persistem no abastecimento de alimentos durante séculos. Como a raça humana vai sobreviver a sua exposição ao TC, ao alimento radioativo, exposição aos raios-X , scanners corporais da TSA em aeroportos e até mesmo o DHS secreto X-ray carrinhos móveis que podem penetrar o seu corpo com raios-X enquanto você está andando em um estádio de futebol? A carga total de radiação sobre a raça humana está alcançando agora um ponto de causar a infertilidade em massa . Essa na verdade pode ser a idéia final. Está acelerando também Dezembro de 2012, pode ser uma data útil como uma espécie de ponto médio da crise, ou talvez como uma data de gatilho para uma aceleração mais rápida do desenrolar dos eventos para a sociedade planetária. Mas não se enganem: Nós já estamos vivendo o colapso de nosso mundo moderno . E você esta em uma fila nos bancos da frente para ver o espetáculo! (Emocionante, hein?) Pense no que está acontecendo ao seu redor nos dias de hoje. Estes são os sinais do passado, pistas desesperadas de uma civilização construída sobre práticas absolutamente insustentáveis que não valoriza a vida e sua manutenção em nosso mundo. Estes são os tempos do fim da oligarquia corporativa, a máquina monopolista com fins lucrativos, a corporação que destruiu tudo em nosso mundo em troca de um relatório de lucros trimestrais ligeiramente maior do que os anteriores.
Na busca por mais dinheiro, a humanidade tem sacrificado a sua oferta de alimentos, seus polinizadores, seus oceanos, florestas e solos e o próprio ar que respira. Orientado para a ganancia os seres humanos têm usado outros seres humanos como experimentos médicos e de carne para canhão. Nós criamos guerras para vender mais bombas, e nós inventamos a doença psiquiátrica para vender mais produtos químicos .
Estas são as práticas de uma civilização falha ... e cujos dias estão contados. Vendo tudo desmoronar é muito mais interessante do que assistir a ele continuar a sua forma destrutiva, é claro, porque aqueles de nós com atenção para perceber uma civilização futura deve subir no lugar de uma "civilização" presente, após o colapso dessa Diga adeus para o falso poder das instituições
Seria bom se os nossos futuros líderes se lembrassem da importância da liberdade e da responsabilidade pessoal, é claro. A resposta a todas os problemas do mundo, ao que parece, é a liberdade - a liberdade na medicina, a liberdade na economia e na liberdade da tirania do governo e do sistema econômico.
Porque, vamos encarar os fatos: A principal causa da maioria destes problemas que estão trazendo para baixo a nossa direita do mundo agora é um mau governo (eu diria um completo desgoverno) . É mau governo ( Big Governo ) que aprovou o OGM. Um mau governo reforçou a médica monopólio médico e permitiu que os pesticidas fossem usados para matar as abelhas . A má governação nos levou ao endividamento inescapável e custosas guerras no estrangeiro. Um mau governo proibiu a liberdade de saúde e protegeu as práticas e interesses monopolistas das empresas de alimentos, empresas de drogas, indústrias químicas, farmacêuticas, petrolíferas e o grande complexo industrial-militar, a indústria da MORTE.
A queda da civilização humana moderna é, como você provavelmente já adivinhou, também a queda da própria idéia de que o Grande Governo cria uma melhor sociedade . Porque se há uma idéia que precisa ficar inoperante após o colapso, é a idéia de que nós, o povo de alguma forma precisa de outro grupo de pessoas (funcionários públicos) para fazer o nosso trabalho duro enquanto nos perseguem com sua falsa autoridade, dirigindo cada pequeno detalhe de nossas vidas.
O que precisamos no nosso mundo não é mais governo, mas mais liberdade (eu diria MAIS CONSCIÊNCIA). Se tivéssemos a liberdade, integridade e responsabilidade pessoal, não haveria o colapso global que já começou. Mas, infelizmente, a raça humana é uma espécie infantil e deve aprender algumas lições da maneira mais difícil, parece.
Esta lição deve ser lembrada por muito tempo: Se você deixar as corporações, os bancos e os governos usarem suas economias, suas fazendas e suas vidas, eles irão escravizá-los e roubar o seu futuro enquanto você dorme, eles vão injetar venenos silenciosamente no mundo muito próximo até que você acorda um dia para encontrar tudo o que você criou que foi destruído.Eles prometem entregar-lhe o paraíso, mas apenas a morte é entregue. Cuidado com qualquer entidade que não seja uma pessoa viva - nenhum governo, nenhuma instituição, nenhuma empresa tem uma alma, nem coração, nem uma consciência. Eles são forças da destruição organizada que dizimam as coisas que nos são caras ao entregar-nos coisas que só nos escravizam ou no prejudicam.
Cuidado com a corporação, o governo, a instituição sem fins lucrativos, funcionando como um grupo de frente para a indústria privada. Nunca permita ser governado por qualquer instituição que existe apenas como uma construção ficcional organizada a partir da projeção da ganância humana.
E estar pronto para a aceleração do colapso da sociedade, civilização e do mundo como o conhecemos. Porque se você estiver lendo isto, você é o futuro da raça humana. Você tem o dever de permanecer vivo, manter seus genes intactos, e estar por perto para ajudar a criar a Sociedade seguinte após esta que se desintegra na poeira da história e do tempo.
E por último mas não menos importante, se você mora em uma média/grande cidade pense seriamente em se transferir para o interior porque nos grandes centros o CAOS será muito, mas muito maior)

FONTE: http://www.naturalnews.com/z032258_economic_collapse_2012.html

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Notícias tiradas dos melhores noticiários

CURIOSIDDES CÓSMICAS A imagem mostra as sombras do polo sul lunar. Uma vez que o eixo de rotação da Lua é quase perpendicular ao plano da eclíptica, o solo das crateras perto dos polo sul e norte lunares pode permanecer numa sombra permanente, enquanto o topo de montanhas recebe luz do sol quase contínua. O interior das crateras sombreadas poderia oferecer reservatórios de água, gelo e as regiões iluminadas pelo sol no topo das montanhas seriam locais ideais para matrizes de energia solar. [Nasa]


Esta imagem nítida, feita pelo telescópio espacial Hubble, que orbita a Terra, abrange cerca de 120 anos-luz. Ele mostra o dramático aumento na densidade de estrelas em direção ao centro do aglomerado. M15 fica a cerca de 35 mil anos-luz de distância na direção da constelação do Cavalo Alado (ou Pégaso). Evidências recentes indicam que pode existir um buraco negro no centro do M15. [Nasa]

Piano Virtual


http://www.bgfl.org/bgfl/custom/resources_ftp/client_ftp/ks2/music/piano/index.htm

Mapa virtual do IBGE Sensacional

http://www.ibge.gov.br/paisesat/main.php


BRASIL - Petrobrás - A BR-Distribuidora, sua subsidiária com mais de 7 mil postos de combustíveis no país. Ao lado da bandeira Ipiranga, que comprou recentemente, ela deve anunciar a redução dos preços tanto da gasolina, quanto do etanol.

quinta-feira, 12 de maio de 2011

Constatações

"NA ÚLTIMA SEMANA BEATIFICAMOS UM PAPA, CASAMOS UM PRÍNCIPE, FIZEMOS UMA CRUZADA E MATAMOS UM MOURO. BEM VINDOS À IDADE MÉDIA!"
Alo Brasil! É Preciso Cuidar dos Nossos Artistas

Não só os escritores como querem na Argentina, mas todos os artistas brasileiros com suas obras reconhecidas, com mais de sessenta anos e que vivem em situação financeira precária deveriam receber uma pensão social.

A Argentina quer instituir uma pensão social para escritores. A ideia, inspirada em leis aprovadas na França e na Espanha, é defendida há anos por um grupo de escritores do país.A pressão é tanta que já são dois projetos --quase similares-- em trâmite no Senado. "Com a barriga vazia, o escritor não escreve", diz o poeta Miroslav Scheuba, coordenador da Sociedade Argentina de Escritores. "Como escritores são boêmios, não economizam e acabam sem nada", completa. A entidade já conseguiu aprovar o projeto em Buenos Aires, em 2009. São 100 escritores beneficiados, que recebem por mês 2.650 pesos --cerca de R$ 1.080. A prefeitura da cidade analisa atualmente o pedido de pensão de outros 30 autores. Pelos cálculos do governo, no âmbito federal, seriam quase mil beneficiados. Os requisitos para o autor postular à pensão é não ter fonte de renda --ou tê-la menor que o valor da bolsa-escritor. É necessário ter mais de 60 anos, ter se dedicado mais de 20 anos à atividade literária ou publicado mais de cinco livros. Outro quesito essencial é morar há pelo menos 15 anos na Argentina. No final de abril, o deputado governista Carlos Heller apresentou um outro projeto com quase as mesmas propostas. A diferença é que a idade mínima para receber a pensão é de 65 anos, e o escritor necessita ter contribuído pelo menos 15 anos com a previdência. "A finalidade é dar uma retribuição e reparar as situações de injustiça e descuido", conta Heller. Em 2007 e 2008, respectivamente, morreram os escritores argentinos Ruth Fernández e José Lui Mangieri. Estavam em dificuldades e desamparados, dizem os defensores do projeto. Julio Cortázar e Jorge Luis Borges tiveram vida regrada. Em Paris, onde viveu, Cortázar trabalhou com traduções. Borges chegou a fazer graça de sua situação financeira precária. Certa vez, ele comentou sobre um sapato usado que ganhou de presente da primeira mulher: "Não eram sapatos de segunda mão, eram sapatos de segundo pé".Sem amparo do governo, o escritor argentino Jorge Luis Borges teve vida regradaSegundo os escritores engajados na causa, o governo aprova a ideia. Mas o projeto deve ser votado somente em outubro, depois da eleição presidencial.

Você pode querer ser qualquer coisa, mas ninguém é um verdadeiro artista por querer ser...

Assistam:

Aos filmes do meu amigo Sérgio Santeiro
www.youtube.com/sergiosanteiro

Loucura Pouca é Bobagem

http://www.youtube.com/watch?v=mvlgMpW-IvU&feature=player_embedded

http://www.youtube.com/watch?v=AHtWZXX55FY&feature=player_embedded

http://www.youtube.com/watch?v=KervfF5aDhk&feature=player_embedded

http://www.youtube.com/watch?v=2BEM-ObMXJY&feature=player_embedded

http://www.youtube.com/watch?v=s-knHHTQaI4&feature=youtu.be

quarta-feira, 11 de maio de 2011



A Questão da Mídia

No Brasil a televisão aberta chega hoje, em rede de emissoras associadas, a milhões de lares e a mais de 100 milhões de pessoas em todo território nacional. Exercendo um poder de convencimento pela informação dirigida, nunca antes imaginado, ela domina e influencia a maioria das mentes e dos desejos dos nossos trabalhadores menos informados e da pobre classe média, tornando-os, na sua grande maioria, pessoas conformistas e alienadas e a cada dia mais distantes das suas identidades culturais tão necessárias nas lutas dos pensamentos ideológicos que são os pilares dos movimentos de transformações sociais. Essas coisas são vitais e são as mais importantes para a sua, a nossa melhoria de vida. Cada dia a grande maioria da nossa população é um pouco menos cidadão brasileiro e mais outra coisa qualquer.

No Brasil existem dois tipos de rede de televisão: a nacional e a regional. A rede nacional de televisão domina a maioria dos horários de todas as emissoras. No horário regional cabe a emissora repetidora duas horas por dia de programação. Esse horário é ocupado por um programa de notícias locais, mas totalmente orientados e dirigidos pelas suas matrizes. São quatro as redes, as famílias, que dominam a comunicação de massa em todo o país: Globo; Record; SBT; Bandeirante.

Elas construíram um império de comunicação de massa no país. Ninguém vive sem elas. O comércio, as empresas, o mercado, a saúde, a educação, a cultura, o Brasil e a liberdade fraterna do seu povo, precisam delas para crescer sem se importar com o que elas hoje representam. É preciso mudar. Dar o primeiro passo, o mais difícil.

Não acho que se devem desapropriar as empresas de suas redes de tevê em nome de um estado revolucionário como se fez na Venezuela. Nem com a caneta do presidente em um ato de revisão das concessões públicas como Brizola queria fazer. Acho que se deve trabalhar em conjunto neste momento com o capital empresarial simplesmente o convencendo que o país precisa avançar e para isso o governo não medirá esforços.

Mas o que seria preciso para avançar, dar os primeiros passos neste deserto?

É preciso de pronto lembrar que o que é bom para o país sempre é melhor para a sua grande ou pequena empresa. Não é lógico?

O que é bom para o Brasil?

Tirar da miséria e educar, primeiro as crianças e depois o resto da população. Saúde, segurança e trabalho para todos. Despoluir as nossas águas. Prestigiar e respeitar o saber a partir da nossa arte e dos nossos artistas. Conquistar a liberdade em todos os sentidos da existência. Proteger a nossa identidade nacional e as riquezas naturais do solo brasileiro.

Se os canais de televisão e suas redes conseguirem passar isso para os seus 100 milhões de espectadores, eles pressionarão o governo para providenciar essas urgentes reformas do estado brasileiro e assim, sem traumas, já teremos atravessado metade deste deserto.

Caso contrário, sem a nossa identidade preservada estaremos, pouco a pouco, mergulhando no mais profundo caos social e político.

Ai só resta à revolução individual e anárquica do salve-se se puder.

domingo, 8 de maio de 2011

REFLEXÕES



Fidel Castro: O assassinato de Osama Bin Laden



AQUELES que se ocupam desses temas sabem que, em 11 de setembro de 2001, nosso povo se solidarizou com o dos Estados Unidos e deu a modesta cooperação que podíamos oferecer no campo da saúde às vítimas do brutal atentado às torres gêmeas do World Trade Center de Nova York. Oferecemos também, de imediato, as pistas aéreas de nosso país para os aviões norte-americanos que não tivessem onde aterrissar, dado o caos reinante nas primeiras horas depois daquele golpe.
É conhecida a posição histórica da Revolução Cubana, que se opôs sempre às ações que puseram em perigo a vida de civis.
Partidários decididos da luta armada contra a tirania batistiana, éramos, por outro lado, opostos por princípios a todo ato terrorista que conduzisse à morte de pessoas inocentes. Tal conduta, mantida ao longo de mais de meio século, nos dá o direito de expressar um ponto de vista sobre o delicado tema.
No ato público de massas efetuado na Cidade do Esporte expressei, naquele dia, a convicção de que o terrorismo internacional jamais se resolveria mediante a violência e a guerra.
Osama Bin Laden foi, certamente, durante anos, amigo dos Estados Unidos, que o treinou militarmente, e adversário da URSS e do socialismo, mas qualquer que fossem os atos atribuídos a ele, o assassinato de um ser humano desarmado e acompanhado de familiares constitui um fato nojento. Aparentemente, foi isso que fez o governo da nação mais poderosa de todos os tempos.
O discurso elaborado com esmero por Obama para anunciar a morte de Bin Laden afirma: "…sabemos que as piores imagens são aquelas que foram invisíveis para o mundo. O lugar vazio na mesa. As crianças que se viram forçadas a crescer sem sua mãe ou seu pai. Os pais que nunca voltarão a sentir o abraço de um filho. Cerca de 3 mil cidadãos se foram para longe de nós, deixando um enorme buraco em nossos corações".
Esse parágrafo encerra uma dramática verdade, mas não pode impedir que as pessoas honestas recordem as guerras injustas desencadeadas pelos Estados Unidos no Iraque e Afeganistão, as centenas de milhares de crianças que se viram forçadas a crescer sem sua mãe ou seu pai e os pais que nunca voltariam a sentir o abraço de um filho.
Milhões de cidadãos se foram para longe de seus povos no Iraque, Afeganistão, Vietnã, Laos, Cambodja, Cuba e outros muitos países do mundo.
Da mente de centenas de milhões de pessoas não se apagaram tampouco as horríveis imagens de seres humanos que em Guantánamo, território ocupado de Cuba, desfilam silenciosamente submetidos durante meses e inclusive anos a insuportáveis e enlouquecedoras torturas; são pessoas sequestradas e transportadas a prisões secretas, com a cumplicidade hipócrita de sociedades supostamente civilizadas.
Obama não tem como ocultar que Osama foi executado na presença de seus filhos e esposas, agora em poder das autoridades do Paquistão, um país muçulmano de quase 200 milhões de habitantes, cujas leis foram violadas, sua dignidade nacional ofendida, e suas tradições religiosas ultrajadas.
Como impedirá agora que as mulheres e os filhos da pessoa executada sem lei nem julgamento expliquem o ocorrido, e as imagens sejam transmitidas ao mundo?
Em 28 de janeiro de 2002, o jornalista da CBS Dan Rather, difundiu por meio dessa emissora de televisão que em 10 de setembro de 2001, um dia antes dos atentados ao World Trade Center e ao Pentágono, Osama Bin Laden foi submetido a uma hemodiálise do rim em um hospital militar do Paquistão. Não estava em condições de esconder-se nem de proteger-se em cavernas profundas.
Assassiná-lo e enviá-lo às profundezas do mar demonstra medo e insegurança, convertem-no em um personagem muito mais perigoso.
A própria opinião pública dos Estados Unidos, depois da euforia inicial, terminará criticando os métodos que, longe de proteger os cidadãos, terminam multiplicando os sentimentos de ódio e vingança contra eles.



Fidel Castro Ruz
4 de maio de 2011
20 h 34 •

Poesia

DUVIDO

Eu não acredito que tudo tem que ter um fim
O fim de tudo só existe se houver um começo
Qual matéria neste mundo surgiu do nada

Para existir a anti-matéria
Precisa-se de um acelerador de partículas
Do tamanho da terra
Ou de um buraco negro
Do tamanho do sol

Você acredita nisso? Duvido!

Eu não acredito que vamos ver o amanhã
Como um rei inseguro em seu castelo de cartas
Como um anjo bêbado tropeçando nas nuvens
O futuro de todas as profecias e de todos os cultos
Na individualidade do sacerdócio e do guerreiro
Não vai ter fim...

Assim a história registra o movimento dos planetas
A gravidade dos fatos a faz esquecer
No tempo e no espaço da memória
Quem sou eu? Quem é você? Quem somos nós?

Precisamos de um fim para não nos esquecer
Deixar de ser para tornar a ser
O ovo ou a galinha?
O real ou o imaginário?

Você não quer saber? Duvido!

Eu não tenho de lhe contar o que não se conta
Quanto é a somatória de todos os números
Quantos buracos têm a lua
Quantas manchas têm o sol
Quantas estrelas brilham no cosmo
Quanto cabe de luz em todos os buracos negros
Quantos anos ainda lhe restam

Razão você quer saber mas eu não
Só sei que não sou quem sou
Sou um mutante sem começo
Sem fim pode ser que sou
Silencioso espaço no tempo
Ilusão alguma contempla
Movimento mudo de tudo
Quantas horas ainda
Faltam passar?

sábado, 7 de maio de 2011

NOTÍCIA DE SÃO PAULO

Na Programação de Maio da CINEMATECA de São Paulo dedicada a poesia brasileira, entre outros, serão exibidos dois dos meus filmes.

(Programação completa no site da cinemateca)

A ENTRADA É FRANCA




Universo poético 1
TERÇA, 03/05 e SÁBADO, 21/05 às 18h00
A janela do caos, de José Sette
Minas Gerais, 2000, 35mm, documentário, cor, 28’ I Exibição em DvD
Um resgate da trajetória de Murilo Mendes, um dos escritores mais expressivos da literatura brasileira.





Universo poético 4
SÁBADO, 14/05 e TERÇA, 31/05 às 18h00
Eu e os Anjos, de Jose Sette
Minas Gerais, 2001, MiniDV, documentário/experimental, cor, 30’ I Exibição em DvD
Um vídeo registro de um espetáculo de teatro sobre o poeta Augusto dos Anjos. Com depoimentos de Ferreira Gular, Ledo Ivo, Ivan Junqueira, Alexei Bueno.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

É preciso ter cuidado com o que se diz nestes sites de realcionamento...



Facebook é máquina de espionagem...


diz Julian Assange, fundador do Wikileaks

O Facebook é "a máquina de espionagem mais assustadora já inventada", disse Julian Assange, fundador do WikiLeaks, em entrevista ao canal Russia Today.

Para ele, a rede social é "a mais abrangente base dados do mundo sobre pessoas, seus relacionamentos, seus nomes, seus endereços, seus locais, a comunicação entre elas, seus parentes" -e todos esses dados poderiam ser acessados pela inteligência norte-americana.

"Facebook, Google, Yahoo -todas essas grandes organizações dos Estados Unidos têm interfaces embutidas para a inteligência norte-americana", e elas teriam sido desenvolvidas pelas próprias empresas, diz Assange.

Ele esclarece que isso não significa que o Facebook seja conduzido pela inteligência dos EUA, mas que esta é capaz de fazer pressões políticas e legais sobre a empresa.

O Facebook diz que as afirmações de Assange são exageradas, segundo o blog de Kashmir Hill no site da "Forbes". "Nós não respondemos a pressões, respondemos a processos legais compulsórios", declarou um porta-voz da empresa.

Hill conta que o Facebook não automatizou o processo de disponibilização de dados de usuários para o governo - ao contrário, por exemplo, da operadora telefônica Sprint (No Brasil, conhecida como Nextel. A empresa, nos EUA, é conhecida por Sprint Nextel desenvolveu uma interface especial para esse fim.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

NOTÍCIAS DO MUNDO



A lenda pode superar a realidade


O governo dos EUA parece não conhecer a história e debocha do mundo escondendo a verdade sobre a morte de Bin Laden no Paquistão.
O grande cineasta americano Elia Kazan fez um belíssimo filme sobre o revolucionário mexicano Emiliano Zapata, com Marlon Brando no papel principal do índio camponês que se rebela contra o governo corrupto do seu país, unindo todo o povo explorado na luta pela justiça e pela terra, em uma da mais bela página da história do México.
No filme, o herói tinha um cavalo branco que o acompanhava em todas as lutas revolucionária, e no seu final, quando em uma emboscada Emiliano é fuzilado por tropas governistas, os seus companheiros escondem o seu corpo e soltam o seu cavalo branco nas montanhas para que a sua história não se percam no tempo. Fazendo assim o povo mexicano achar que o seu grande líder revolucionário é um imortal e que sua lenda permanecesse para sempre no imaginário popular. Toda vez que alguém visse o seu cavalo branco livre e solto pelas pradarias pensasse que Emiliano estava vivo protegendo aqueles oprimidos que sofriam.
Em outro filme, agora do cineasta de John Ford “O Homem que Matou o Facínora” um jornalista ao saber que a verdade histórica contradizia a lenda, afirma categoricamente: “Quando a lenda supera a realidade, imprimisse a lenda”.Estão transformando Bin Laden em uma lenda negando ao mundo a sua verdadeira história ou tudo não passa de uma farsa, de mais uma tragicomédia americana.

terça-feira, 3 de maio de 2011

EXERCÍCIO DE MEMÓRIA



VILLA-LOBOS X SEGÓVIA

Aconteceu em Paris e conta com duas versões, uma de cada protagonista.Foi no ano de 1924 em um encontro musical na casa de Olga Moraes Sarmento Nobre.Na versão de Villa-Lobos, Segóvia, sem saber de sua presença, havia comentado que suas peças eram anti-violonísticas e que os recursos usados não eram próprios do instrumento. Um dos que se achavam no grupo de Segóvia disse : “Pois é, Segóvia, o Villa está aqui” e Villa-Lobos foi logo chegando e dizendo : “Por que é que você acha as minha obras anti-violonísticas ? ”. Segóvia, surpreso com sua presença ali, explicou que, por exemplo, o dedo mínimo direito não era usado no violão clássico. Logo Villa-Lobos respondeu: ”Ah! Não se usa? Então corta fora, corta fora.” e em seguida pediu o violão a Segóvia. Este ainda tentou resistir, pois não emprestava seu instrumento para ninguém, mas não adiantou e nas palavras do próprio Villa-Lobos, “eu sentei,toquei e acabei com a festa”.Ao ser questionado por Segóvia onde tinha aprendido, Villa-Lobos respondeu que “não era violonista mas sabia toda a técnica de Carulli, Sor, Aguado, Carcassi, etc.”No dia seguinte se encontraram na casa de Villa-Lobos e revezaram no violão até às 4 da manhã. Segóvia encomendou um estudo de violão, e além da grande amizade que surgiu a parti daí, foram doze os estudos que o compositor brasileiro dedicou ao grande violonista espanhol.Na versão de Segóvia, foi Villa-Lobos, dentre os convidados presentes, o que causou a maior impressão. Segóvia, apesar da fama que Villa-Lobos usufruía em Paris, mal conhecia alguma composição sua.Após Segóvia terminar sua apresentação, Villa-Lobos aproximou-se e disse em tom confidencial : ”Também toco violão”- “Maravilhoso” respondeu Segóvia. Pediu o instrumento, sentou-se, atravessou-o nos joelhos e “segurou-o firmemente, de encontro ao peito, como se temesse que o instrumento fugisse”. De repente desferiu um acorde com tal força que Segóvia não se conteve e soltou um grito, pensando que o seu violão havia se despedaçado. Villa-Lobos deu uma forte gargalhada. Após várias tentativas para começar a tocar, ele terminou por desistir, certamente devido a falta de exercícios diários, atividade necessária para tocar com desenvoltura. Mesmo assim Segóvia percebeu, nos poucos compassos que ouviu, que aquele intérprete era um grande músico, “pois os acordes que conseguiu produzir encerravam fascinantes dissonâncias, os fragmentos melódicos possuíam originalidade,os ritmos eram novos e incisivos e até a dedilhação era engenhosa”.Dedicados a Andrés Segóvia, a série dos Doze Estudos data de 1929 e publicada pela Editora Max Eschig tem o seguinte prefácio escrito pelo virtuose espanhol:“Eis aqui 12 estudos, escritos com amor pelo violão, pelo genial compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos. Eles comportam, ao mesmo tempo, fórmulas de surpreendente eficiência para o desenvolvimento da técnica de ambas as mãos e belezas musicais ‘desinteressadas’, sem finalidade pedagógica, valores estéticos permanente de obras de concerto. “... Não quis alterar nenhuma das digitações que o próprio Villa-Lobos indicou para a execução de suas obras. Ele conhece perfeitamente o violão, e se escolheu tal corda ou tal digitação para ressaltar determinadas frases, devemos estrita obediência ao seu desejo, mesmo ao preço de nos obrigar a maiores esforços de ordem técnica. Não quero concluir esta breve nota sem agradecer publicamente ao ilustre Maestro, a honra que me conferiu dedicando-me estes ‘Estudos’ ”.Nas palavras de Andrés Segóvia: “... nasceu entre nós uma sólida amizade. Hoje o mundo da música reconhece que a contribuição desse gênio para o instrumento constituiu uma benção tanto para o instrumento como para mim”.

Loucura Pouca é Bobagem